quarta-feira, 30 de abril de 2008

No seu último dia de Escola

Tenho uma amiga que leccionou hoje as suas últimas aulas na minha Escola. Olhando para trás e cavaqueando com o passado, recordo que sempre pensei que esta era a professora que não queria pensar na aposentação, que vivia também em função da Escola e, sobretudo, dos alunos. Muitas provas disso deu ela ao longo dos cerca de 20 anos em que trabalhámos na mesma Escola. Da “velha guarda”, daquelas que entrou no ensino e o praticou por convicção, por sentimento e por sensibilidade, crente numa Escola alicerçada sobre os princípios da liberdade, do fazer, do respeito, do partilhar com os alunos, seguidora das ideias de Sebastião da Gama, disponível para fazer tudo o que exigisse envolvimento, tudo o que implicasse novidade, manifestando sempre o ponto de vista resultante de leitura sua, pondo na actividade da Escola o mesmo cuidado (diria: carinho) que poria numa coisa “sua”… a Margarida foi mais uma das que não aceitou a imagem que, nos últimos tempos, se fez do professor e da Escola e, mesmo com algum prejuízo, embarcou no pedido de aposentação, que teve resposta rápida e a impediu de concluir o ano lectivo (que ela esperava levar até ao fim, mesmo por razões de estabilidade das turmas e dos cargos em que estava envolvida).
Reconheço o que partilhámos ao longo destes anos, o que aprendi com ela, o pilar que em muitas circunstâncias foi para a Escola e mesmo para mim. É justo que o testemunhe e o agradeça, quer pelos momentos bons, quer pelos mais difíceis e mesmo pelos que nem sempre foram de concordância.

15 comentários:

Margarida Heliodoro disse...

Também tenho a felicidade de ter esta amiga.
Reconheço, também, o que partilhámos ao longo destes anos e o que aprendi com ela.
A nossa Escola ficou hoje sem uma professora que sempre se dedicou de corpo e alma à sua profissão. Acompanhou jovens de várias gerações proporcionando-lhes experiências inesquecíveis.
Espero continuar a encontrá-la e sobretudo espero continuar a contar com o seu conselho como até hoje.

José disse...

Sempre me foi ensinado que deveremos retirar o que de melhor à em cada pessoa, seguindo os bons exemplos. Para mim a Margarida é um exemplo a seguir. Com o passar dos anos ganhamos experiência, mas não podemos perder em dedicação.

José Paulo Pinho

raul disse...

o que acrescentar ao que já disse da margarida. Tivémos a enorme fortuna de poder trabalhar com ela, trocar ideias, discordar, concordar, partilhar boas experiências pedagógicas e de vida.
o seu projecto educativo passou sempre pela dedicação aos alunos, ao saber ser e ao saber.Não perdemos uma professora porque fica o desafio de ela com outros possam, em regime de voluntariado, continuar a colaborar com a escola.
Obrigado pelo teu exemplo de dedicação, amizade, profissionalismo. Um professor não parte.Até já

Anónimo disse...

É verdade. Com grande pena sua, e dos que por cá ficam, a Margarida viu-se obrigada a abandonar o ano lectivo, sem que para tal estivesse preparada, deixando por concluir alguns dos projectos a que se tinha proposto. Irá acontecer o mesmo a muitos outros, que apesar de se dedicarem de corpo e alma a esta profissão, não resistirão a tantas pressões.
Perdem todos os que estão ligados à escola, fica a ganhar o M.E.
O meu agradecimento por tudo o que fizémos em conjunto.
Até breve, ficamos a aguardar o "voluntariado".

Anónimo disse...

Espero e desejo que a colega Margarida encontre rapidamente forma de aplicar a sua energia e dedicação à causa do ensino, porque os verdadeiros professores não se aposentam.

Isabel disse...

Há coisas para as quais nunca estamos preparados. Pensamos sempre nelas à distância e a realidade é sempre um choque.
Aconteceu-me isso com a Margarida, cuja presença na escola era um dado adquirido.
Admiro-a como pessoa e profissional. Empreendedora, dinâmica, dedicada, empenhada, com idéias muito próprias e sempre frontal. Uma mulher que pôs sempre as suas capacidades ao serviço da Escola, de todos nós. Um exemplo a seguir. Uma amiga.
Isabel Aleixo

isabelaleixo disse...

Há coisas para as quais nunca estamos preparados. Pensamos sempre nelas à distância e a realidade é sempre um choque.
Aconteceu-me isso com a Margarida, cuja presença na escola era um dado adquirido.
Admiro-a como pessoa e profissional.Empreendedora, dinâmica, dedicada, empenhada, com idéias muito próprias e sempre frontal.
Uma mulher que pôs sempre as suas capacidades ao serviço da Escola, de todos nós.
Um exemplo a seguir. Uma amiga.

Rita disse...

Li o que todos escreveram e fiquei com as lagrimas nos olhos, nao so porque a Margarida eh minha mae mas porque sinto toda a mesma admiracao que voces!Como la em casa diziamos, ela vivia para a escola e para os seus meninos!Trabalhava com dedicacao, profissionalismo e muito carinho!Marcou muitos dos seus meninos que acredito e sao sem duvida hoje pessoas melhores!
Sinto tudo isto com muito mais pesar porque nao posso estar perto dela para lhe dar aquele abraco mas, como o raul disse, um professor nao parte e digam um ate ja, porque ela voltara e fara outras coisas com a mesma dedicacao e forca que so ela sabe onde a vai encontrar!
Tenho muito orgulho em ti Mae!
(desculpem a falta de acentos mas estes ingleses nao usam nada disso!)

aureliano disse...

Ao ter conhecimento da "retirada" da Prof. Margarida, não poderia ficar indiferente, por várias razões, nomeadamente: manifestar o quanto apreciei ao longo de muitos anos, (que nem me atrevo de mencionar o número, mas que parece , por um lado, que foi de sempre, e por outro, parece que foi há tao pouco tempo) a sua Atitude Profissional e Pessoal com que se envolveu nos projectos em que trabalhámos juntos, e o seu Interesse na valorização dos Alunos e da Escola.
Cara amiga Margarida, merece descansar, mas está "proibida" de parar a sua actividade enquanto Cidadã, pois todos nós precisamos que mantenha o seu envolvimento na Sociedade,transmitindo o seu Conhecimento e a sua Experiência.
Como sempre lhe manifestei, estou incondicionalmente disponível para colaborar nos projectos que entender envolver-se.Desejo-lhe:
SAÚDE, BOA DISPOSIÇÃO,ALEGRIA e ENTUSIASMO, para a "nova situação" que vai enfrentar.
um beijinho
aureliano

Anónimo disse...

Margarida, espero que sejas sempre muito feliz. Ficam saudades boas. O banquinho é teu :). bjs Céu Ventura

Conceição Silvério disse...

Ontem a Margarida estava "bem disposta" e ainda nos rimos com as suas fotografias ao serviço dos alunos e da nossa Escola. É verdade, está sempre pronta a enfrentar desafios. A tarefa da Margarida não acabou de certeza, irá continuar com o empenho de sempre.
Há já alguns anos partilhámos algumas turmas de 8ºano com projectos em comum, ainda no tempo da Área-Escola...guardando desses tempos óptimas recordações de trabalho conjunto.
Margarida,sempre pronta. Força. Beijinhos. Conceição.

Anónimo disse...

Como deve ser bom ouvir ou ler estas conversas.
Margarida, até já.

ines disse...

Olá Tia Guida!

A notícia já chegou ao Alentejo! Quero dizer-lhe que, tal como na história do escorpião e do elefante, também neste caso não se esgota a sua natureza que é superior a qualquer função profissional/cargo! Estou certa que esta nova etapa fará renascer muitas outras coisas para abraçar! ... Com a vantagem do que aprendeu nos anos que passaram!
E, aqui só para nós, agora já não se pode evitar a uma visitinha à cidade petrimónio mundial ;)...e assim começam as coisas boas!

Cá a esperamos com muitos beijinhos para lhe dar!

Inês e Afonsos

bibliosfera disse...

Considero um privilégio ter conhecido a Margarida e gostei imenso de ter sido colega dela... Pelo seu saber «de experiências feito», pela sua inteligência crítica, pela sua sensibilidade pedagógica, pelo seu rigor e verticalidade... Mas o que eu gostei mais (e penso que vou sentir mais falta!...),foi das suas/nossas gargalhadas, foi de rirmos soltamente de tudo um pouco, de nós próprias, da vida... Nesse tempo a Escola era uma alegria quase constante. Agora é quase constantemente uma tristeza! E a Margarida resolveu dizer à Escola, como o Poeta: «Adeus Tristeza!...» E partiu.

E como escreveu um outro Poeta bem nosso conhecido:
«Partimos. Vamos. Somos.»

Maria do Céu Couto

bibliosfera disse...

Considero um privilégio ter conhecido a Margarida e gostei imenso de ter sido colega dela... Pelo seu saber «de experiências feito», pela sua inteligência crítica, pela sua sensibilidade pedagógica, pelo seu rigor e verticalidade... Mas o que eu gostei mais (e penso que vou sentir mais falta!...),foi das suas/nossas gargalhadas, foi de rirmos soltamente de tudo um pouco, de nós próprias, da vida... Nesse tempo a Escola era uma alegria quase constante. Agora é quase constantemente uma tristeza! E a Margarida resolveu dizer à Escola, como o Poeta: «Adeus Tristeza!...» E partiu.

E como escreveu um outro Poeta bem nosso conhecido:
«Partimos. Vamos. Somos.»

Maria do Céu Couto