sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Setúbal não atribui medalhas no seu feriado por se estar em período eleitoral

A Câmara de Setúbal deciciu não atribuir medalhas de mérito no dia 15 de Setembro (feriado municipal) por se estar em período de campanha eleitoral, conforme noticiou O Setubalense de hoje, argumentando que já o mesmo aconteceu há quatro anos.
Recordo-me do que sucedeu no ano passado, em que três cidadãos viram rejeitada tal atribuição em sessão pública de Câmara, acto nada simpático uma vez que nenhum dos cidadãos tinha pedido condecoração. A questão é: ou o executivo autárquico se entende quanto ao mérito ou não, ou há figuras e colectividades com mérito assinalável no concelho ou não há. Favores, isso não!
É, aliás, por causa dos "favores" envolvidos em muita medalha que o próprio mérito anda, depois, de rastos, levando muitas pessoas e entidades a pensar que... medalhas assim, não!
Ora, a decisão da Câmara setubalense para este ano não faz sentido. Melhor: demonstra que a lógica do mérito não é clara. Se houve cidadãos ou instituições meritórias no concelho, o que tem isso a ver com a campanha eleitoral autárquica?
Percebo que seja difícil "arranjar" uma lista de cidadãos ou de instituições com actividades de mérito todos os anos, sobretudo quando ela é longa. Percebo. Mas fico decepcionado com esta dependência do reconhecimento do mérito do facto de haver ou não haver eleições... Ou será que, em ano de eleições, os únicos a terem direito a ver o mérito reconhecido (ou não) são os autarcas?
Seria bom que os vários elementos do executivo camarário se entendessem quanto a esta questão. Caso contrário, o mérito, que devia ser considerado, passa a ser muito negativo...

1 comentário:

Manuel Pereira Medeiros disse...

E mais uma vez o opoio. Venha detrás o critério ou não, porque sempre o que importa na crítica que o é, não é a necrofagia, própria de quem, incapaz de criar e fazer, vive de bocas malfazejas. É o futuro, o que importa. E é muito degradante o que tanto acontece: criar nomes para os galardões, em vez de criar galardões para os nomes. Resultado...? É como diz:nem dignifica quem atribui nem quem recebe. Já não falando nos assaltos aos favores...
M.M.